20 de fev de 2011

Trovas de viajante


Viver é uma viagem: 
hoje se chega, amanhã se vai.
Uns deixam paz outros guerra,
noutros o amor sobressai.

Todos são viajantes do universo
arquitetura sublime;
digo agora nesses versos
que a viagem vós não subestime.

Os que ficam ao lado estão
o presente que ainda não foi embora,
marcando a estação
do futuro instante de outrora.

Todos estão a viajar
seja em terra, seja em mar;
e também no pensamento
nesse ambulante desdobrar.

A viagem é a chance
de mais amar a todo instante;
quando o novo desabrocha
em romance com o tempo.

Trovas de viajante tem começo certo
e final errante.
Mas, nunca para trás,
sempre adiante.

As lições do caminho:
veja só as flores e seus espinhos
o doce do mel, o amargo do vinho
diga lá o cantar dos passarinhos.

Quanta Boa Nova!
Nesse sopro de bonança
no findar dessas humildes trovas
o coração se enche de esperança.